09 abr

Consequências da declaração do Brasil na OMC

Global JR | Não categorizado

     A decisão tomada no dia 19 de março, por parte do Ministério de Relações Exteriores com apoio de Jair Bolsonaro, declarou o Brasil, dentro da OMC, como um país desenvolvido e não mais em desenvolvimento, em troca de um apoio norte-americano para a entrada na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A decisão foi tomada em virtude do Ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, acreditar que o Tratamento Especial e Diferenciado (TED) não estava mais ajudando o Brasil a se desenvolver. A entrada para esta nova organização traria ao Brasil um enfoque maior ao desenvolvimento, visto que é o objetivo principal dela; a deliberação efetuada pelo presidente, no entanto, traz diversas consequências, tanto positivas quanto negativas.

      Dentre as consequências negativas é possível relatar as principais: não ter mais o Tratamento Especial e Diferenciado (TED), igualdade de competitividade comercial entre empresas estrangeiras e empresas nacionais, e outras organizações internacionais pressionarem a declarar desenvolvimento. Com relação a questão do TED, o Brasil terá bem menos tempo para adaptações relacionadas às decisões tomadas dentro da OMC, impactando diretamente nos produtores e exportadores. No que tange a competitividade, quando o país está em desenvolvimento ele não necessariamente precisa abrir totalmente seu mercado e, consecutivamente, consegue proteger sua indústria nacional. Tornando-se um país desenvolvido, a competitividade torna-se de igual para igual, obrigando o país a respeitar todas as decisões e abrir igualmente seu mercado comparando-se às grandes potências.

     Dentre as consequências positivas é possível relatar dois aspectos: atrair investimentos externos e elevar o nível para empresas nacionais. A questão dos investimentos externos se mostra quando, aceitando essa condição, o Brasil necessitaria passar por algumas reformas, para poder se adaptar às novas condições, tais mudanças, em teoria, possibilitaram com que o Brasil se torne um país mais previsível e suscetível a novos investimentos. O aspecto de elevar os níveis das empresas nacionais está no fato de que, com a competitividade se tornando maior, as empresas serão obrigadas a investir mais fortemente em inovação e, consecutivamente, melhorar a qualidade. Esse último fato possui uma linha tênue pois pode acabar quebrando as empresas nacionais como já ocorreu outras vezes que liberalizaram o mercado.

     O novo posicionamento do Brasil perante a OMC traz pontos negativos e positivos. Dessa forma, é de suma importância para as empresas nacionais que se adaptem ao novo cenário, assim, podem investir na redução de custos de seu produto perante importações e compreender onde podem produzi-los à baixo custo. A Global Jr. produz diversos planos negócios, desse modo, podemos auxiliar sua empresa a tornar-se mais competitiva em âmbito nacional e internacional.

 

TAGS

Últimos Posts

China aumenta impostos sobre produtos norte-americanos

15 maio 2019

Como explorar a ascensão do mercado de produtos orgânicos?

02 maio 2019

Como as novas gerações enxergam a gestão de equipes.

12 abril 2019

Posts relacionados

Marcopolo avança para o mercado de ônibus elétricos

20 fevereiro 2019

LEIA MAIS

O que são ODS? Quase metade da população brasileira não sabe.

28 janeiro 2019

LEIA MAIS

Executivos de Sicredi e gestora de fundos britânica se reúnem em Porto Alegre

15 janeiro 2019

LEIA MAIS

O impacto do Museu Nacional no cenário internacional

14 novembro 2018

LEIA MAIS
Global JR - Negócios Internacionais | ESPM
Entraremos em contato com você.
Global JR - Negócios Internacionais | ESPM
Agende uma reunião gratuita conosco.